terça-feira, 7 de junho de 2011

Amor-Perfeito

Episódio 400

"O que é perfeito não precisa de nada"
Alberto Caeiro


Sim, talvez tenham razão.
Talvez em cada coisa uma coisa oculta more,
Mas essa coisa oculta é a mesma
Que a coisa sem ser oculta.

Na planta, na árvore, na flor

(Em tudo que vive sem fala
E é uma consciência e não o com que se faz uma consciência),
No bosque que não é árvores mas bosque,
Total das árvores sem soma,
Mora uma ninfa, a vida exterior por dentro

Que lhes dá a vida;
Que floresce com o florescer deles
E é verde no seu verdor.

No animal e no homem entra.
Vive por fora por dentro
É um já dentro por fora,
Dizem os filósofos que isto é a alma
Mas não é a alma: é o próprio animal ou homem
Da maneira como existe.

E penso que talvez haja entes

Em que as duas coisas coincidam
E tenham o mesmo tamanho.

E que estes entes serão os deuses,
Que existem porque assim é que completamente se existe,
Que não morrem porque são iguais a si mesmos,

Que podem mentir porque não têm divisão [?]
Entre quem são e quem são,
E talvez não nos amem, nem nos queiram, nem nos a
pareçam
Porque o que é perfeito não precisa de nada.




Decidi tatuar um amor-perfeito porque além de ser a minha flor favorita é uma variante das violetas e o roxo das suas pétalas é a minha cor de eleição!
Acredito, também. que haja uma alma neste mundo que ainda me vá considerar perfeita, assim como sou, sem querer mudar um pontinho que seja da minha personalidade, uma alma que me veja perfeita, mesmo com todas as minhas imperfeições, porque o que é perfeito não precisa de nada.

Obrigada, Gui, por me proporcionares uma primeira experiência quase indolor no mundo das tatuagens!
Obrigada pela simpatia e pelo cuidado!
E obrigada pela banda sonora patrocinada pela Yolanda Soares! ;)

Sem comentários: